Business Intelligence: Uma das maiores ferramentas de gestão empresarial

blogAs novas realidades criadas pelas Organizações Virtuais, das quais a Internet é o maior exemplo, estão num estágio de desenvolvimento primário, já que a sua utilização se intensificou efetivamente a partir do início década de 90. Contudo, não se trata mais de ilusões ou de ficção científica. Estamos diante de uma realidade que é preciso enfrentar, pois é impossível ignorar as transformações que estão a ocorrer em nosso tempo.

As sociedades se modificam e ao nível econômico, as empresas também seguem seu curso transformador incluindo em suas atividades novas tecnologias e novos procedimentos, visando melhor agenciamento dos recursos e também de lucros.
A utilização do computador e de redes interligadas para transmissão rápida de informações vão determinar as novas condições concretas de existência, já sendo exercitadas.

Consideramos assim, válido as novas tendências da tecnologia e da informatização, desde que efetivamente a sociedade como um todo possa se beneficiar dos resultados desse fascinante processo em curso.

Um dos principais conceitos disponíveis atualmente no que diz respeito a gestão empresarial é o Business Intelligence.

Inteligência é o resultado de um processo que começa com a coleta de dados. Esses dados são organizados e transformados em informação, que depois de analisada e contextualizada se transforma em inteligência. Essa, por sua vez, quando aplicada a processos de decisão geram vantagem competitiva para a organização.
Conhecimento do negócio na era da competição global e das comunicações on-line, passou a ser chamado de Business Intelligence (BI) ou Inteligência de Negócios (IN).

Sistema de Inteligência de Negócios – SIN é o processo organizacional pelo qual a informação é sistematicamente coletada, analisada e disseminada como inteligência aos usuários que possam tomar ações a partir dela.
SIN é um processo que envolve a coleta, análise e validação de informações sobre concorrentes, clientes, fornecedores, candidatos potenciais à aquisição, candidatos à joint-venture e alianças estratégicas. Inclui também eventos econômicos, reguladores e políticos que tenham impacto sobre os negócios da empresa. O processo de IN analisa e valida todas essas informações e as transforma em conhecimento estratégico.

Benefícios de um sistema formal de inteligência de negócios:

– antecipar mudanças no mercado
– antecipar ações dos competidores
– descobrir novos ou potenciais competidores
– aprender com os sucessos e as falhas dos outros
– conhecer melhor suas possíveis aquisições ou parceiros
– conhecer novas tecnologias, produtos ou processos que tenham impacto no seu negócio
– conhecer sobre política, legislação ou mudanças regulamentais que possam afetar o seu negócio
– entrar em novos negócios
– rever suas próprias práticas de negócio
– auxiliar na implementação de novas ferramentas gerenciais.

O principal objetivo de um Sistema de Inteligência de Negócios é aprender sobre o ambiente competitivo externo, visando o conhecimento do posicionamento competitivo da empresa, o que impulsionará mudanças internas e facilitará decisões estratégicas.

Business Intelligence, ou Inteligência nos Negócios, é a utilização de uma séries de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações, que serão utilizadas no auxílio ao processo de gestão e tomadas de decisão.
Fazem parte dos pacotes de Business Intelligence existente, o Data Warehouse (DW) , Sistemas de Suporte à decisão (DSS), Sistemas de informação executivas (EIS), sistemas de Gestão Integrados (ERP), OLAP e ferramentas de mineração de dados, conhecidas como data minig.

MRP: o MRP (Material Requirement Planning – Pano de Necessidades de Material ), e MRP II, são software específicos para a indústria, que visam manter os estoques adequados disponíveis e as linhas em grande atividade. Utiliza-se de técnicas matemáticas ligadas ao conhecimento da engenharia de processo industrial , para, através de uma demanda pré-determinada, fazer o planejamento futuro das matérias primas e das etapas produtivas.

JIT: (Just in Time), é uma ferramenta que busca localizar falhas e melhorar continuamente o processos industriais além da diminuição gradativa dos estoques intermediários da produção, permitindo o gerenciamento dos fluxos de materiais de forma contínua e homogênea.
Resumindo, Traz o material para a fábrica conforme a necessidade, evitando o desperdício, o que se traduz em diminuição de custos de produção.

ERP: o ERP ( Enterprise Resouces Planning – Planejamento de recursos de um Empreendimento ), é uma evolução natural do MRP. Também chamados de “Pacotes integrados de Gestão Empresarial”, o ERP é um software que abrange toda a cadeia de suprimentos ou supply chain.
ERP são sistemas que controlam uma empresa de ponta a ponta, da produção às finanças. Gerencia o contas a pagar e a receber, ativos fixos, gestão de recursos disponíveis, controle de custos, etc…, cria cronograma de produção, automatiza a entrada e o processamento de pedidos, gerencia estoques, monitora custos de projetos, administra acordos, contatos e garantias com clientes etc..

Sistemas Inteligentes

Os sistemas inteligentes surgiram como grande solução para resolver problemas graves relacionados com a Internet. O maior deles diz respeito ao volume de informações disponíveis. A liberdade de ação proporcionada na Internet faz com que muitas informações, das mais diversas áreas, sejam disponibilizadas. Este excessivo volume de dados afeta sensivelmente a facilidade de pesquisa. Outro problema está relacionado com a necessidade de domínio da capacidade de utilização do computador. Ferramenta essencial para acessar a Internet, o computador se constitui num sério empecilho na socialização deste recurso. Em um seminário ocorrido recentemente nos EUA, patrocinado pela National Science Foundation (NFS), vários especialistas abordaram estes problemas e registram possíveis soluções num relatório intitulado The Role of Intelligent Systems in the National Information Infraestructure (O Papel de Sistemas Inteligentes na Infraestrutura Nacional de Informações). Este documento serviu como base para a criação da lei que disciplina a respeito das telecomunicações naquele país e cria a National Information Infraestructure – NII (Infraestrutura Nacional de Informações). Em vários momentos deste documento são citados sistemas inteligentes (Agentes Inteligentes) como solução. O NII será o órgão governamental americano responsável pela organização e controle dos mecanismos capazes de propiciar a instalação, de maneira organizada, de toda a infraestrutura de informações nos EUA. Este modelo tende a ser reproduzido nos demais países do mundo. É a solução para socialização da Internet.

O que são Agentes?

Em termos de informática, falar de agente é o mesmo que falar de sistemas inteligentes, ou sistemas de inteligência artificial distribuída. Os sistemas de inteligência artificial tradicionais concentram suas atenções em um único agente, o qual seria provido de alguma espécie de inteligência, e sozinho seria especialista na realização de uma tarefa específica. A inteligência artificial distribuída, baseia-se no comportamento social, considerando sociedades de agentes inteligentes e autônomas, dotadas de capacidade cognitiva. Os agentes, especialistas na atividade que desempenham não trabalham mais isolados, mas de forma cooperativa tentam resolver um problema da melhor forma possível, caracterizando uma área da inteligência artificial distribuída, denominada Sistemas Multiagentes. Wayer e Cheong afirmam: geralmente um agente encontra-se imerso em uma sociedade de agentes. Nesta sociedade a interação e a coordenação das metas e dos planos de ação destes agentes, tem como objetivo a resolução cooperativa de uma determinada tarefa, constituindo-se nos elementos chave de um Sistema Multiagente. Em relação à internet, que é meio de maior desenvolvimento desta tecnologia, existem basicamente dois tipos de agentes: um tipo especial que se desloca através da rede, utilizando-se dos serviços disponíveis, com a missão de atender às solicitações de seus usuários e outro tipo está caracterizado pelos estáticos, que permanecem fixos nos locais onde foram criados, para realizarem tarefas bem específicas, como por exemplo: ftp, correio eletrônico.

Em relação ao aspecto funcional, os agentes disponíveis na Internet podem ser:

Agentes Assistentes – operam autonomamente, pesquisando informações específicas ou eventos. Quando encontram informações relevantes, notificam o usuário imediatamente ou armazenam para futuro acesso;

Agentes Aprendizes – é capaz de construir sua performance sobre preferências individuais através da aprendizagem do comportamento passado do usuário;

Agentes de Compras – são capazes de fazer comparações comerciais e pesquisar o melhor preço do item;

Agentes de Recuperação de Informações – são capazes de pesquisar por informações de maneira inteligente, combinando informações;

Agentes de Ajuda – executam tarefas autonomamente, sem interação humana.

A eficiência dos agentes é um aspecto que preocupa inúmeros pesquisadores e já existem muitos resultados nesta área. A seguir são apresentadas algumas características interessantes:

Autonomia – autonomia é a capacidade do agente executar o controle sobre suas próprias ações. Relaciona o controle somente ao usuário final quando define que, um agente inteligente deve possuir a habilidade de praticar ações para desenvolver tarefas ou alcançar objetivos, sem necessitar da interferência do usuário final. O agente, além de possuir controle sobre seu comportamen

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: